Renner

Grupo Renner compra a Leader
Rede de varejo gaúcha passa a ser vice-líder em lojas de departamento

A rede de lojas Renner acertou ontem a compra da fluminense Leader - que tem 38 estabelecimentos nas Regiões Sudeste e Nordeste - , especializada em cama, mesa, banho e vestuário. O negócio, cujo prazo para ser concluído é de 120 dias, está avaliado entre R$ 500 milhões e R$ 700 milhões, dizem analistas.
A marca Leader será mantida. Além de assumir a vice-liderança do segmento de redes de departamento, atrás apenas da arqui-rival C&A, a aquisição permitirá à Lojas Renner vender para o público das classes C e D.
- É onde estão acontecendo as coisas hoje. A Renner não vende para esse público - diz Galló.
Com a saída do Rio da Pernambucanas, na década de 90, a Leader ocupou o espaço da rede e reforçou sua atuação em vestuário. Foi quando atingiu 15 lojas e abriu uma fábrica no interior do Rio, que hoje abastece 30% das roupas femininas e infantis vendidas nos estabelecimentos.
Segundo especialistas, a operação deve desencadear uma reação entre os principais concorrentes, que podem acelerar sua expansão, seja orgânica, com a construção de novas lojas, ou por meio de novas aquisições. A Renner vai adquirir também 50% da operação de cartão de crédito da Leader, que, em parceria com o Bradesco, soma 3,5 milhões de clientes. Juntas, as duas vão somar 15,5 milhões de cartões, contra 18 milhões de unidades da holandesa C&A.
Para analistas, o setor ainda é muito fragmentado, já que as cinco maiores empresas do setor respondem por menos de 10% da receita do mercado têxtil, de R$ 65 bilhões por ano. No segmento de eletroeletrônicos, as cinco maiores redes concentram quase metade das vendas do país, ressalta estudo da consultoria Gouvêa de Souza. Com o negócio, a Renner terá uma adição de 27% nas vendas. As duas redes terão faturamento anual de R$ 2,397 bilhões, atrás da C&A, com receitas de R$ 3 bilhões por ano, e à frente da Riachuelo, com R$ 1,8 bilhão anual, informa a Itaú Corretora.
- Vamos concluir essa operação e depois pensar no futuro. Porém, também continuaremos crescendo organicamente, construindo lojas. Mesmo em shoppings onde há as duas redes, não teremos mudanças - diz Galló.
A gestão e a administração das duas companhias vão continuar separadas, mas haverá espaço para sinergias. Algumas marcas da Renner poderão ser vendidas na Leader, e vice-versa. Só este ano, as duas empresas terão 29 novas lojas. Para Juliana Rozenbaum, analista do Unibanco, a Renner ganha forte presença no Rio e ainda terá mais conhecimento com a venda de itens de casamento e de casa.

Fonte: Zero Hora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fim de Octo

O primeiro mês do ano

Ontem (2016)